quarta-feira, 10 de abril de 2013

18º dia do Jejum de Daniel: A MENTE DE CRISTO

                     
O Espírito Santo também é o responsável por nos dar a mesma mente que imprimiu no Seu filho Jesus, exclusivamente com o objetivo de realizar, através de nós, o que Ele realizou através do Senhor Jesus. Na realidade, a única forma de conhecermos a Deus e ao Seu plano de salvação é através do trabalho desenvolvido pelo Espírito Santo em nós. Como, entretanto, Ele poderá nos usar sem nossa mente? Impossível! Ele precisa enchê-la com os Seus pensamentos a fim de podermos saber qual a Sua perfeita vontade.

Foi com esse propósito que o Espírito de Deus inspirou homens santos para escreverem a Bíblia; para, através deles, instruir a todos os seres humanos no caminho da vida.
É importante frisar que a Bíblia, sem a unção do Espírito Santo, é apenas um simples livro de História. Para poder servir aos propósitos de Deus, precisa ser lida sob orientação do Espírito de Deus; de outra forma, tornar-se-á apenas letra, e “A letra mata, mas o espírito vivifica.” (2 Coríntios 3.6)

Dessa forma, sua interpretação não poderia ser de outra fonte, pois era e é necessário que o seu próprio Autor exemplifique exatamente o que Ele quer dizer, porque se cada um a interpretasse à sua maneira, como poderia realmente conhecer a interpretação verdadeira? É por essa razão que existem falsos profetas, falsos pastores, falsas igrejas e inúmeras religiões, pois, inspirados por espíritos enganadores e mentirosos, muitos têm interpretado a Bíblia à sua maneira, tirando proveito para si mesmos, levando almas para o inferno.
Como podemos saber a interpretação correta? É justamente por isso que o Espírito Santo nos foi enviado; para nos guiar a toda a verdade, conforme o Senhor Jesus prometeu: “Tenho ainda muito que vos dizer; mas vós não o podeis suportar agora; quando vier, porém, o Espírito da verdade, ele vos guiará a toda verdade...”(João 16.12,13).

A Bíblia é uma coleção de 66 livros, os quais contêm a revelação de Deus para os homens. Eles foram escritos por pelo menos 36 homens, durante um período de 1.500 anos. Esses homens, quando escreveram seus respectivos livros, foram poderosamente inspirados pelo Espírito Santo, a ponto de todas as palavras ficarem perfeitamente colocadas dentro da exata expressão da mente de Deus. Tanto que o próprio Senhor Jesus a utilizou nos mínimos detalhes dentro de Seu ministério terreno.

Dentre aqueles homens dirigidos pelo Espírito de Deus para escrever a Bíblia havia reis, agricultores, pastores, advogado, pescadores, um médico e um cobrador de impostos. Embora tenham sido pessoas simples, em sua maioria, a inspiração divina é incontestável: não houve, não há e jamais haverá alguém capaz de provar o contrário do que a Bíblia afirma. O próprio Senhor Jesus disse: “Passará o céu e a terra, porém, as minhas palavras não passarão.” (Mateus 24.35).

A mente de Cristo ou a Palavra de Deus não apenas cria uma unidade de fé, mas também nos faz participantes da natureza divina, permitindo-nos o direito de pensar e agir livremente, de acordo com a nossa própria vontade.
A mente de Cristo não nos impõe qualquer restrição, ou mesmo nos obriga a qualquer atitude contrária à nossa. Pelo contrário, nossa vontade e nosso prazer passam a ser de fazer a vontade dAquele que nos libertou do império das trevas para a Sua maravilhosa Luz, e isso através de uma fé pura e simples, como é a fé sobrenatural.

A mente de Deus não nos escraviza a ponto de nos tirar a liberdade de fazermos o que queremos.
Na verdade, deixa-nos ainda muito mais livres para tomarmos nossa própria decisão, quer seja a favor ou contra Deus; e Ele, em hipótese alguma, nos impedirá de fazermos algo que Lhe seja contrário.
Este é o amor imensurável que o ser humano não tem capacidade de entender, a não ser por uma convicção muito forte que brota dentro dele: a fé sobrenatural.
Deus abençoe todos abundantemente.


                                                             

Nenhum comentário:

Postar um comentário