sexta-feira, 19 de abril de 2013

A origem de Satanás

                   
O arcanjo transformou-se em Satanás quando tentou usurpar a autoridade de Deus, competir com Deus, e assim se tornou um adversário de Deus. Foi a rebeldia que provocou a queda de Satanás.

Tanto Isaías 14:12-15 como Ezequiel 28:13-17 falam da ascensão e queda de Satanás. A pri­meira passagem, entretanto, enfatiza como Sa­tanás violou a autoridade divina enquanto a se­gunda enfatiza sua transgressão contra a santi­dade de Deus. Ofender a autoridade de Deus é uma rebeldia bem mais séria do que ofender a santidade de Deus. Considerando que é uma ques­tão de conduta, o pecado é mais facilmente per­doado do que a rebeldia, pois esta última é uma questão de princípio.


A intenção de Satanás de estabelecer o seu trono acima do trono de Deus foi o que violou a autoridade de Deus; foi o princípio da auto-exaltação. O ato do pecado não foi o que provocou a queda de Satanás; esse ato não passou do produto de sua rebeldia contra a autoridade. Foi a rebeldia que Deus condenou. Quando servimos a Deus não devemos desobe­decer às autoridades, porque isso é um princípio satânico. Como podemos pregar a Cristo de acor­do com o princípio de Satanás? Pois é possível em nossa obra permanecermos com Cristo em doutrina e, ao mesmo tempo, permanecermos com Satanás em princípio. Que coisa iníqua pre­sumirmos que estamos executando a obra do Se­nhor.


Por favor, observe que Satanás não tem medo quando pregamos a palavra de Cristo, mas como tem medo quando nos submetemos à au­toridade de Cristo! Nós que servimos a Deus jamais deveríamos servi-lo de acordo com o prin­cípio de Satanás. Sempre que o princípio de Cris­to está operando, o de Satanás se desvanece. Sa­tanás continua sendo um usurpador; ele será derrotado no fim dos tempos segundo o livro do Apocalipse. Se quisermos verdadeiramente servir a Deus temos de nos purificar comple­tamente do princípio de Satanás.

Na oração que nosso Senhor ensinou à sua igreja, a expressão "e não nos deixes cair em tentação" destaca a obra de Satanás, enquanto a expressão "mas livra-nos do mal" refere-se diretamente ao próprio Satanás. Imediatamente após estas palavras o Senhor faz uma declaração muitíssimo significante: "pois teu é o reino, o poder e a glória para sempre. Amém" (Mt. 6:13).


Todo reino, autoridade e glória pertencem a Deus e somente a ele. O que nos liberta total­mente de Satanás é a percepção desta preciosíssi­ma verdade — que o reino é de Deus. Considerando que todo o universo está sob o domínio de Deus, temos de nos sujeitar à sua autoridade. Que ninguém usurpe a glória de Deus.

Satanás mostrou todos os reinos da terra ao Senhor, mas o Senhor respondeu que o reino dos céus é de Deus. Temos de perceber de quem é a autoridade. Pregamos o evangelho a fim de colocarmos os homens sob a autoridade de Deus, mas como podemos estabelecer a autoridade de Deus na terra se nós mesmos ainda não a conhe­cemos? Como nos seria possível enfrentar Sa­tanás?

Fonte:Autoridade espiritual

Nenhum comentário:

Postar um comentário