segunda-feira, 24 de junho de 2013

O voto de Jacó

                       
Uma atitude de fé fez Deus se manifestar com Sua glória
"Tendo-se levantado Jacó, cedo, de madrugada, tomou a pedra que havia posto por travesseiro e a erigiu em coluna, sobre cujo topo entornou azeite. E ao lugar, cidade que outrora se chamava Luz, deu o nome de Betel.

Fez também Jacó um voto, dizendo: Se Deus for comigo, e me guardar nesta jornada que empreendo, e me der pão para comer e roupa que me vista, de maneira que eu volte em paz para a casa de meu pai, então, o Senhor será o meu Deus; e a pedra, que erigi por coluna, será a Casa de Deus; e, de tudo quanto me concederes, certamente eu te darei o dízimo." Gênesis 28.18-22

É impressionante como os personagens da Bíblia usaram de elementos simples como símbolos para manifestar a fé. A pedra que Jacó usou como travesseiro simboliza o Senhor Jesus, no qual somos:

"edificados sobre o fundamento dos apóstolos e profetas, sendo ele mesmo, Cristo Jesus, a pedra angular; no qual todo o edifício, bem ajustado, cresce para santuário dedicado ao Senhor, no qual também vós juntamente estais sendo edificados para habitação de Deus no Espírito." Efésios 2.20-22

O azeite derramado sobre a coluna simboliza a unção do Espírito Santo sobre a Pedra Fundamental.

Jacó certamente não sabia que o que estava fazendo era uma cerimônia profética da instauração da Igreja do Senhor Jesus Cristo neste mundo sobre a Pedra Angular. O apóstolo Pedro também confessou, dizendo:

"...Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo. Então, Jesus lhe afirmou: Bem-aventurado és, Simão Barjonas, porque não foi carne e sangue que to revelaram, mas meu Pai, que está nos céus.

Também eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela." Mateus 16.16-18

Isso significa que essa revelação de que Jesus é o Cristo, o Filho do Deus Vivo, não pode ser extraída de livros filosóficos ou de conhecimento intelectual, mas foi uma revelação do próprio Deus a Pedro. E a pedra sobre a qual o Senhor edificaria a Sua Igreja não é Pedro, mas, sim, a revelação de que Jesus é o Cristo, o Filho do Deus Vivo!

Jacó afirmou que a pedra, que ele havia erigido por coluna, seria a Casa de Deus, ou seja, a Igreja do Senhor Jesus Cristo e chamada também de o Reino de Deus.

O voto de Jacó foi, sem sombra de dúvida, uma atitude de fé, ousadia e coragem, tal qual a do seu avô Abraão. Podemos observar que, no início do voto, Jacó parece estar falando consigo mesmo, mas, ao término, na última frase: "e de tudo quanto me concederes, certamente eu Te darei o dízimo", está se dirigindo a Deus. Por quê?

Porque, no sonho, a manifestação de Deus era uma aliança com ele, mas, nessa resposta, Jacó estava propondo a si mesmo e, sobretudo a Deus, uma aliança condicionada à atitude de Deus em relação a ele! Se o Senhor cumprisse todas as Suas promessas, seria o seu Deus, e Jacó pagaria a décima parte de tudo o que lhe viesse às mãos, em sinal de sua aliança com Deus. Jacó já devia ter conhecimento de que o dízimo é um sinal de aliança com Deus, razão pela qual ele mesmo se obrigou a pagá-lo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário