quarta-feira, 13 de novembro de 2013

Casamento sem vinho não tem sabor

                 

A primeira demonstração pública do poder do Homem
Os noivos se desesperam! O casamento está acabado! Assim como dia sem sol e noite sem estrelas, casamento sem vinho não tem sabor.

Os noivos, tão queridos entre os conhecidos, serão taxados de irresponsáveis, serão malvistos aos olhos de todos, e para sempre serão julgados por uma falha que, provavelmente, nem é deles.

Essa sociedade galileia, assim como todas as conhecidas, é capaz de esquecer todos os bons atos já cometidos por alguém quando um erro que os afeta é cometido. Em Caná, as festas de casamento têm duração de 7 dias, mas sem o vinho todos irão embora falando mal dos donos da casa. Alguém precisa agir.
Entre os convidados, uma senhora percebe o medo da nova família e conversa com seu Filho, um Homem sábio que tem falado a multidões nos últimos tempos.

Tamanha é a importância da integridade da família para o Rapaz, que resolve ajudar. Em qualquer outro caso, Ele teria, provavelmente, negado o auxílio. Contudo, nessas circunstâncias é preciso proteger boas pessoas da peçonha que está no mundo.

“Enchei essas talhas de água.”

Os convidados querem vinho, os noivos querem vinho, mas a autoridade com que o Convidado fala é inquestionável. Há ali espaço suficiente para guardar, pelo menos, 480 litros de vinho. Todo espaço sendo completado com água.

Ninguém pode compreender o que se passa na cabeça desse Homem. Todos querem o vinho, o produto final, o que agrada os homens. Ele manda buscar água, o elemento mais puro que existe, sem gosto, sem cheiro, sem cor, sem graça. Em que está pensando?

Sua mãe e Seus amigos O olham com admiração e curiosidade. Conhecem a sabedoria do Companheiro, mas sabem também que Ele poderia fazer o que quisesse sem ordenar tanto trabalho aos empregados. Mas qual objetivo é conquistado sem esforço? Qual milagre é recebido sem sacrifício?

“Tirai agora, e levai ao mestre-sala.”

Ora! Mas se Ele não havia feito nada. Não havia dito nada. Se orou, ninguém percebeu. Se estendeu as mãos sobre a água, ninguém sabe dizer. E de repente tudo ali foi transformado. Confiaram Nele e, antes que pudessem perceber, nada mais é igual como antes.

O mestre-sala não pode explicar a qualidade do vinho, nunca provou algo tão bom. Todos apresentam primeiro o vinho bom, e depois, quando os convidados já estão embriagados, oferecem o de menor qualidade. Mas não no casamento em que esse Homem está. Quando o Milagreiro age, tudo fica melhor.

Só quem prova o vinho sabe o quanto ele é bom. Só quem conhece o poder desse Rapaz sabe do que Ele é capaz. E quando se conhece realmente Ele, Seus amigos podem dizer, tudo na vida, que parecia completa, fica melhor.

E os noivos não estão mais desesperados. Ele trouxe paz. E, para sempre, a História se esquecerá dos nomes dos dois para contar como esse Rapaz é poderoso.

Fonte: Arca Universal

Nenhum comentário:

Postar um comentário