sábado, 12 de abril de 2014

Ela queria ficar mais bonita


Em busca da perfeição, Linda Perez acabou paralítica. O que aconteceu de errado com a jovem?
Assim como o próprio nome indica, a cubana Linda Perez, de 19 anos, era realmente linda e também muito vaidosa. Com certeza, muitas mulheres gostariam de ter um corpo como o dela ou invejavam a aparência sempre bem cuidada da jovem. Linda é mãe de um garotinho de 4 anos e quem já engravidou sabe que é difícil voltar a ter aquela barriguinha de antes, não é mesmo? Mas ela voltou a ter. Porém, mesmo com tudo isso, a jovem não era feliz. Estava insatisfeita com seu corpo.

Colocou na cabeça que a solução para a sua insatisfação era a cirurgia. Para isso, em agosto de 2013, ela foi a uma clínica de estética particular – a The Coral Gables Cosmetic Center – na Flórida, em Miami, nos Estados Unidos, onde morava. Sua intenção era aumentar os seios, implantando silicone. Ela pagou o equivalente a R$ 6 mil pela cirurgia ao renomado cirurgião plástico Jacob Freiman, que é especializado em procedimentos desse tipo e cirurgia plástica no rosto, segundo informações da página profissional dele na internet.

Mas, apesar do histórico de cirurgias bem-sucedidas do médico, alguma coisa deu errado na operação de Linda e, uma hora após o procedimento, ela entrou em coma. Dois meses depois, em outubro do ano passado, quando despertou, a moça estava paralítica, quadro em que se encontra até hoje. Os médicos não sabem explicar exatamente o que aconteceu. Linda sofreu danos cerebrais gravíssimos, que a fizeram perder os movimentos e até a fala. “Ela é como um bebê, completamente dependente de nós”, relata Mariela Diaz, mãe da jovem.

Enquanto ela está presa a uma cama, o advogado da família, Mark Eiglarsh, e o advogado da clínica, Kubs Lalchandani, travam uma batalha judicial. Eiglarsh enxerga negligência. “Uma mulher saudável, de 18 anos (idade que Linda tinha na época da cirurgia), deve ser capaz de passar por um procedimento cirúrgico de rotina e não acabar em um estado quase vegetativo”, afirma. Do outro lado, Lalchandani rebate: “Quando ela deu à luz, teve complicações com a anestesia aplicada. Ela escondeu isso do doutor Freiman porque sabia que isso poderia impedir sua cirurgia de colocação de silicone nos seios.”

Será que Linda era tão obcecada com o seu corpo e pela beleza que seria capaz de colocar até mesmo a própria vida em risco? “Agora, sempre que ela se olha no espelho, chora muito”, conta sua mãe. É possível que uma pessoa, mesmo sabendo dos riscos que corre, se submeta a uma cirurgia simplesmente porque não é capaz de se amar como é?

Ser bonita está longe de ser um pecado. A mulher deve se preocupar com a aparência e estar atraente para seu marido. No entanto, ela deve ter consciência de que não adianta nada ser bela apenas por fora. O interior sempre vai falar mais alto. Pode parecer clichê, mas esse é talvez um dos ensinamentos mais preciosos que uma pessoa pode aprender. Esse aprendizado é capaz de derrubar totalmente o modelo de vida que a publicidade e a imprensa vendem: o da sociedade do espetáculo.

Ser uma mulher autêntica não é se modificar, mas saber o que ressalta sua beleza. Muitas vezes, é questão de usar a roupa adequada ao seu corpo, o corte de cabelo que combina com o seu rosto e a maquiagem que valoriza seus traços. E o principal: estar bem e feliz consigo mesma. Porque se você não se achar bonita, não há plástica nesse mundo que fará os outros pensarem de maneira diferente.
Fonte: universal.org

Nenhum comentário:

Postar um comentário